Neste espaço colaborativo e de distribuição de conhecimento sua presença é fundamental. Aqui compartilho com você estudos, informações, crenças e busco somar esforços com todos e todas que concebem com responsabilidade a desafiante tarefa de educar na sociedade atual

domingo, 28 de junho de 2009

Recomende este BLOG





Visitantes online

Conheça o Prêmio Microsoft Educadores Inovadores


Fique por dentro!No portal Educarede



Você pode se inscerver neste evento que é " O Prêmio Microsoft Educadores Inovadores" que está na sua quarta edição e reconhece os melhores projetos educacionais que fazem uso da tecnologia, desenvolvidos por educadores de escolas públicas, estaduais ou municipais, ONGs, Associações, Fundações e Escolas Técnicas Públicas. O objetivo é incentivar o desenvolvimento de ações de incorporação das tecnologias em atividades que proporcionem um melhor desempenho da comunidade escolar. Conheça o regulamento e o site do Prêmio, com todas as informações necessárias para a sua inscrição.

Os educadores poderão participar com projetos ligados a três categorias:- Inovação em Comunidade- Inovação em Colaboração- Inovação em Conteúdo- Educador Inovador – Escolas Técnicas




sexta-feira, 26 de junho de 2009

O vídeo na prática docente


PROPOSTAS DE UTILIZAÇÃO DO VÍDEO NA PRÁTICA DOCENTE
Vídeo como SENSIBILIZAÇÃO
para despertar a curiosidade, a motivação para novos temas. Isso facilitará o desejo de pesquisa nos alunos para aprofundar o assunto do vídeo e da matéria.
Vídeo como ILUSTRAÇÃO
O vídeo muitas vezes ajuda a mostrar o que se fala em aula, a compor cenários desconhecidos dos alunos.
Vídeo como SIMULAÇÃO
É uma ilustração mais sofisticada. O vídeo pode simular experiências de química que seriam perigosas em laboratório ou que exigiriam muito tempo e recursos.
Vídeo como CONTEÚDO DE ENSINO
Vídeo que mostra determinado assunto, de forma direta ou indireta. De forma direta, quando informa sobre um tema específico orientando a sua interpretação. De forma indireta, quando mostra um tema, permitindo abordagens múltiplas, interdisciplinares.
Vídeo como PRODUÇÃO
Como documentação, registro de eventos, de aulas, de estudos do meio, de experiências, de entrevistas, depoimentos. Isto facilita o trabalho do professor, dos alunos e dos futuros alunos. -.
Vídeo como INTEGRAÇÃO/SUPORTE
De outras mídias. Vídeo como suporte da televisão e do cinema. Gravar em vídeo programas importantes da televisão para utilização em aula.
Encontra-se neste leque de opções a possibilidade para que professores da Educação Básica e de outros mais variados níveis de ensino, possam rever concepções de sustentação de suas práticas cotidianas, terem acesso e apropriem-se de conhecimentos necessários para trabalharem com a produção de vídeos digitais na sala de aula nas diversas disciplinas, temas transversais e outras situações temáticas imbricadas nas várias ciências e necessidades de adensamento de aprendizagem. Vale salientar que atualmente, com uma infinidade de aplicativos gratuítos, camêras digitais e Mp3, 4, ..7, a produção de vídeo pessoal está em alta e dentre os usuários mais interessados no uso nesse tipo de atividade estão crianças e adolescentes, um público que crescentemente se identifica muito com esse tipo de mídia, dado seu caráter altamente motivacional. Apesar de ser geralmente associada ao lazer e entretenimento a produção de vídeos digitais pode ser utilizada como atividade de ensino e aprendizagem com vasto potencial educacional ainda a ser explorado. Uma ótima sugestão de ferramenta entre tantas é o windows movie maker é um simples mais bem potente software de edição de vídeo, sendo ainda em parte desconhecida como ferramenta gratuita do sistema operacional Windows. O programa evoluiu imensamente desde sua versão inicial em 2000, incluída no Windows Millennium até a atual versão (2.1) no Windows XP e Windows Vista, hoje se pode dizer que cobre um alto percentual de uso para as necessidades do chamado cineasta caseiro, permitindo basicamente só com o mouse realizar funções complexas ao criar filmes com trilha sonora, letreiros e efeitos especiais. O programa pode ser usado para organizar vídeos produzidos por filmadoras e câmeras fotográficas ou mesmo para montar apresentações com imagens estáticas. Só é preciso ter os clipes de vídeo e as fotos no computador. Após salvo, pode ser visto pelo windows media player, ou pode ser copiado em CD, pois o movie maker salva os vídeos em formato WMV e AVI.
Que tal vamos conhecer o Movie Maker?
video

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Astros e Estrelas do Semestre 2009.1 -UEPB

Uma das razões para a aprendizagem é que ela permite que otimizemos nossa resposta a uma determinada situação, de modo que possamos minimizar riscos de dúvidas. Certo.. ou contudo, os valores de uma pessoa são fortemente influenciados por tudo aquilo que está ao seu redor. Carrego comigo a luta diária de que vocês meus alunos e alunas não precisam obrigatoriamente de recesso para ficarem longe de sua professora, mas para continuar dando significado a aprendizagem que juntos realizamos na comunicação e interação.

Colóquio sobre Políticas ePráticas Curriculares

Vamos participar?

Vem aí o IV COLÓQUIO INTERNACIONAL DE POLÍTICAS E PRÁTICAS CURRICULARES será realizado de 10 a 13 de Novembro de 2009, em João Pessoa, Paraíba, numa iniciativa dos Programas de Pós–Graduação em Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), através do Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas e Práticas Curriculares e do Grupo de Pesquisa Currículo: sujeitos, conhecimento e cultura. Com a temática ‘DIFERENÇA NAS POLÍTICAS DE CURRÍCULO’. http://www.aepppc.org.br/coloquio.html

Compartilhando produções de estudo

Ufa... em dias de muita festa junina na bela cidade de Campina Grande, onde vivo e com tanto trabalho ainda por realizar, chegando do arrasta pé do dia de São João, e já pesquisando na rede entrei em contato com a agenda de novos congressos e seminários que ocorrerão no segundo período de 2009. Mas... com muita alegria ainda estarei no 19º EPENN no Encontro de Pesquisa Educacional do Norte e Nordeste no período de 5 a 8 de julho, participando e realizando uma comunicação sobre os estudos que realizei sobre o vídeo Digital na sala de aula na Especialização em Novas tecnologias na Educação sob a orientação do Prof. Dr. Robson Pequeno-UEPB. Também estarei através de Minha orientanda Carolina Soares Ramos do Curso de Licenciatura em Computação com a apresentação de 2 Posters na 61ª Reunião Anual do SPBC que ocorrerá em Manaus nos dias 12 a 17 de julho, sendo um sobreAPLICABILIDADE DE SOFTWARES MATEMÁTICOS POR PROFESSORES/AS DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA – UEPB e o outro fruto de pesquisa referente ao uso do Groups como ambiente colabroativo com minhas turmas da UEPB na disciplina de Prática Pedagógica de Computação- entitulado PRÁTICA PEDAGÓGICA NO CURSO DE LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO: O GOOGLE GROUPS COMO FERRAMENTA COLABORATIVA NO ENSINO E APRENDIZAGEM, tendo como minha orientanda nesta aplicação pedagógica a aluna Isabelle Maria Lima. Um semestre de muita produção em escrita, onde os alunos se inserem na pesquisa e na escrita de projetos e artigos. E na crença de que Ensinar exige pesquisa, e isso me alegra e me compromete de montão estebelecendo a necessária interação com os discentes, entre os saberes curriculares que são fundamantais na disciplina que oriento e na experiência social que cada um deles tem como indivíduo e na convivência com as etapas da pesquisa.

































segunda-feira, 22 de junho de 2009

Docs - Ferramenta que faz parte do meu trabalho docente no ensino superior





O Google Docs como interface que proporciona interatividade e colaboração quando bem utilizado na Prática Pedagógica.



Desde 2008 venho inserindo na minha prática pedagógica no curso de Licenciatura em computação a interface Google Docs para estudo e compartilhamento de textos e pesquisas, construção coletiva de slides para apresentações e registros de organização dos grupos e relatórios e atualmente compartilho avaliações da aprendizagem. Iniciei este trabalho de apropriação quando o DOCS não tinha nem todos os recursos que hoje possui, como por exemplo a presença atual no google textos do Formulário. Os alunos se apropriam com facilidade da ferramenta e esta frente ao tratamento construtivista tem possibilitado ampla interatividade e colaboração . Mas não é só a interatividade e a colaboração que estão avançando, mas a própria aprendizagem dos meus alunos, pois eles constroem e reconstroem seus textos, resignificando conceitos e elaborando novos saberes por meio da utilização desta interface. É importante afirmar que não é suficiente a inclusão do computador ou de outras tecnologias recentes para que se possa dizer que a educação está acontecendo e que os propósitos de interatividade e de construção do conhecimento estão sendo desenvolvidos, necessário se faz que educadores dialoguem e se apropriem de novos saberes de formação para que possam participar ativamente da conexão que se faz na sociedade atual.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Computador e Internet - Nova cultura escolar

Estou orientando a disciplina Internet como ferramenta didática no Curso de Especialização em Novas Tecnologias da UEPB. E no encontro do dia 15.06.09 tratei com os alunos sobre o uso do podcast no ensino, tanto em seu aspecto técnico, como pedagógico e cultural. São 38 alunos de várias áreas do conhecimento que em sua maioria atuam na docência, outros tutores em EAD, portanto, um celeiro de possiblidades para que possamos produzir conhecimento com esta ferramenta que pode ser utilizada dentro e fora da sala de aula. Teremos uma ótima portunidade para verificar sua pertinência no contexto educativo. Os podcasts são essencialmente arquivos de áudio, transmitidos via Internet. O termo podcasting, método de distribuição de ficheiros multimédia como programas áudio ou vídeos musicais, que resultou da fusão de iPod (leitor MP3 da Apple) e broadcasting. O primeiro podcast surge em 2004 com Adam Curry (DJ de MTV) e
Dave Winer (autor do formato RSS) ao criarem um programa que permitia descarregar automaticamente transmissões de rádio da Internet diretamente para os iPods. O termo podcast identifica o conteúdo, mas por vezes também é usado na acepção de método de distribuição. As páginas Web de podcasts oferecem a possibilidade de ouvir, de descarregar diretamente em formato MP3 ou a subscrição do feed para automaticamente se poder receber os novos podcasts no iTunes, no iPod ou em outro leitor. Uma pesquisa na Internet permite encontrar um grande número de leitores de Feeds, isto é, programas chamados “agregadores de conteúdo” que permitem receber as atualizações dos sites escolhidos. Vale salientar que a popularidade do Podcast está a contagiar escolas e universidades um pouco por todo o lado, dos EUA à Europa, a avaliar pela quantidade de artigos que jornais como o New York Times ou o The Guardian têm publicado sobre esta matéria. Há várias publicações da Universidade do Minho em Portugal e inclusive estão sediando um encontro dias 8 e 9 de julho de 2009 sobre Podcast. Podemos dá uma olhada na programação e perceber como nesta universidade há pleno desenvolvimento de pesquisas sobre ferramentas digitais e nestes dias se refere ao Podcast http://www.iep.uminho.pt/encontro.podcast/programa.html. Encontro sobre Podcasts, 2009
Site optimizado para I.E., 1024 x 768 podcast@iep.uminho.pt










Webquest : Pesquisa na Rede

Hoje recebi este email que me deixou muito contente por poder confirmar que minhas incursões pedagógicas sobre WQ no contexto da disciplina de Prática Pedagógica de Computação vem sendo uma construção siginificativa de aprendizagem para os universitários - Futuros professores. A WWW é um prato cheio de opções que podem ser selecionadas pelo professor para que seu aluno possa investir em pesquisas úteis e assim a escola, a universidade estando no mundo, os muros que separam pátios, lan houses não devem ter papel maior do que exteriorizar a idéia de fronteira, mas não a de limite. É tempo então de navegar e de admitir que professores também precisam aprender, reinventar suas competências, desenvolver novas habilidades, para poder compartilhar ainda mais com seus jovens alunos cibernautas.
Mensagem recebida
Caro Utilizador ! Encontra-se disponível no Portal das WebQuests nossas últimas actualizações.

Foram Incluídas: Novas Entrevistas com professores portugueses e brasileiros; Novos Artigos;
Novas WebQuests Avaliadas; Notícias; Vídeos. Podem consultar as novidades em http://www.portalwebquest.net/

Melhores Cumprimentos

João Batista Bottentuit Junior







quarta-feira, 17 de junho de 2009

Educadores do nosso tempo... linkados heim?






Manual de Ferramentas Web 2.0 para professores



Vejam o manual de 240 páginas com as mais variadas ferramentas de Web 2.0 para uso de professores em suas atividades de interação com os alunos. É fruto da organização de Ana Amélia A. Carvalho, da Universidade do Minho (Portugal). É muito rico em detalhamento sbre as ferramentas de interação na rede. E com certeza é uma produção útil a todos aqueles que se autodesafiam na construção e ressiginificação de práticas pedagógicas para o ensino e aprendizagem em tempos de novos cenários de colaboração e interatividade na Web

domingo, 14 de junho de 2009

Webquest - Metodologia de pesquisa na WWW



















Neste semestre 2009.1 destaco com entusiasmo o trabalho realizado junto as 8 turmas do Curso de Licenciatura em Computação da UEPB. Alunos de perfil pesquisador que agregam saberes através da disciplina de Prática Pedagógica de Computação. Em função desta compreensão incorporei aos estudos propostos com o objetivo de unir atividades práticas e apreensão teórica dos conteúdos o trabalho com a metodologia Webquest. Uma metodologia investigativa para uso da Internet na educação idealizada pelo Professor Bernie Dodge, da Universidade Estadual de San Diego, nos Estados Unidos. Nos últimos 3 anos venho me dedicando a este aperfeiçoamento teórico, didático e técnico e o resultado com do trabalho foi significativo. As WQs elaboradas, apresentadas e postadas anunciam que cada futuro professor vem se apropriando da questão que por traz de toda prática pedagógica há uma teoria que a guia e que as possibilidades advindas com as Tecnologias digitais precisam fazer parte do cotidiano da vida docente. ah... ainda quero lembrar que na prática, criar uma webquest não exige nenhuma habilidade especial ou um software específico, mas apenas a capacidade de publicar uma página na Internet. Esta Home Page, ou até mesmo um blog (diário na Web) elaborado com este fim específico, deverá guiar a aprendizagem dos estudantes através, essencialmente, da sugestão de uma tarefa executável em um prazo pré-determinado e este tempo pode girar de algumas aulas até um mês ou bimestre, dependendo da complexidade da tarefa proposta. Além disso, a webquest deve também incorporar elementos motivacionais como a atribuição aos estudantes de papéis a serem desempenhados ou cenários para trabalhar. Elaborada de forma mais adequada para atividades em grupo, daí ser possível falar em “aprendizagem cooperativa”, uma webquest na maioria das vezes é projetada para uma disciplina, mas, também pode assumir um caráter interdisciplinar. Requerem a utilização de recursos básicos da informática, como a preparação de uma apresentação utilizando o software Microsoft PowerPoint, a confecção de um fotolog, que pode servir de Galeria Digital para apresentação visual de determinado tema. E os recursos de pesquisa advém da Internet em sua maioria e aparecer na Webquest na forma de hiperlinks. Esta constituição advinda do criador da WQ contribui para que os estudantes não naveguem em informações inúteis no infoespaço. É portanto, uma sistemática de pesquisa orientada.














































sexta-feira, 12 de junho de 2009

Internet como ferramenta didática



As redes eletrônicas estão estabelecendo novas formas de comunicação e de interação onde a troca de idéias entre grupo, essencialmente interativa, eliminan distâncias físicas e temporais. A vantagem é que as redes trabalham com grande volume de armazenamento de dados e transportam grandes quantidades de informação em qualquer tempo e espaço e em diferentes formatos.


Neste cenário que se transforma de forma célere os professores estão sendo convocados a inserção neste novo processo de ensino e aprendizagem, nesta nova cultura educacional, onde os meios eletrônicos de comunicação são a base para o compartilhamento de idéias e ideais em projetos colaborativos.


A utilização pedagógica da Internet é um desafio que docentes e escolas estarão enfrentando neste século qie nos incita a sermos uma sociedade que aprende, pois ela apresenta uma concepção socializadora da informação.

SBIE 2010

ENTRE EM CONTATO...

Apresentação de Augusto Franco no Nodo PB dia 12.09.09 em Campina Grande

CHAT : Educar na Era Digital

TRECHO DE TEXTO DE PAULO FREIRE

"De nada serve, a não ser para irritar o educando e desmoralizar o discurso hipócrita do educador, falar em democracia e liberdade mas impor ao educando a vontade arrogante do mestre" ( FREIRE, Paulo. Professora sim, Tia não, 1995)

Que tal Ler ??? INDICO PARA VOCÊ

Indico este livro que foi traduzido para o Português:

Homo Zappiens: educando na era digital/Wim Veen, Ben Vrakking: tradução Vinicius Figueira. - Porto Alegre: Artmed, 2009. 141 p.

Educar é um compromisso social

Educar é um compromisso social
Simpósio Integrador-Semana CEDUC/UEPB

Filmes Imperdíveis

  • A sociedade dos Poetas Mortos
  • Desafiando Gigantes
  • O Clube do Imperador
  • O ilusionista
  • O mundo dos insetos
  • O sorriso de Monalisa
  • O triunfo
  • Orquestra dos Meninos
  • Ponto de Decisão
  • Prova de Fogo
  • Quase Deuses
Ocorreu um erro neste gadget

Maior Cajueiro do Mundo no Rio Grande do Norte

Maior Cajueiro do Mundo no Rio Grande do Norte
Localiza-se na praia Pirangi com área de 100 por 80 metros, produção de 70.000 cajus por ano, bem doces e já tem 115 anos. Minha foto predileta de setembro

Foto tirada por mim em 19.07.09

Foto tirada por mim em 19.07.09
É mais importante construir o ninho ou ensinar uma andorinha a voar?

Meu Cenário : UEPB Universidade Estadual da Paraíba

Meu Cenário : UEPB Universidade Estadual da Paraíba
Centro onde atuo no curso de Licenciatura em Computação